Uso do dinheiro público é alvo de investigações federais na Prefeitura de Anajatuba


Uma série de investigações apuram denúncias de irregularidades na Prefeitura da cidade de Anajatuba, a 137 Km de São Luís. Constam nas investigações o fechamento de escolas por falta de dinheiro e milhões de reais gastos em licitações suspeitas.

No campo da educação, a Prefeitura de Anajatuba cortou o transporte escolar em alguns povoados por causa da situação das estradas. Na cidade há famílias mandando filhos morarem com parentes para conseguir estudar.

"Eu mandei para casa da minha mãe porque lá o ônibus passava bem na porta. Aí ela foi pra lá”, contou Maria dos Reis, que é mãe de aluno.Nos lugares onde há ônibus as condições são ruins. O veículo trafega completamente lotado e chega a circular por 40 km de estrada de chão com crianças viajando em cima do motor. O trajeto longo é resultado do fechamento de 21 escolas nos últimos quatro anos, de acordo com o Sindicato dos Professores.Antes haviam 55 escolas na cidade, segundo o Sindicato dos Professores.

A Prefeitura justifica o fechamento pela falta de recurso para manter os professores. Além disso, atualmente as escolas que ainda funcionam estão em condições precárias e cheias de buracos.

"São vários buracos e todo professor sabe que o quadro é um recurso didático fundamental", disse o professor Gilson Rodrigues.

O prefeito da cidade é Sidnei Pereira, do PCdoB. Em 2015, ele denunciou por corrupção o então prefeito do qual ele era vice, Helder Aragão. O prefeito foi afastado e ele assumiu a Prefeitura. Sidnei foi reeleito em 2016 e agora enfrenta denúncias até da Câmara Municipal, onde um vereador do mesmo partido já entrou com oito representações em órgãos de fiscalização.

“O que mais me deixa triste é que o gestor atual anda fazendo as mesmas coisas que o outro estava fazendo", contou Lauro Sousa, vereador do PCdoB.

Os contratos com uma malharia de São Luís também são alvo de investigação. Entre 2016 e 2017, a malharia Maria dos Milagres Sousa Moreira Aquinho vendeu R$ 410 mil à Prefeitura de Anajatuba em artigos esportivos e brinquedos. Só no ano passado foram R$ 321 mil pagos à malharia, segundo o Tribunal de Contas do Estado.

Entre os itens vendidos estão bolas, chuteiras, redes de vôlei, 30 pares de rede oficial de campo de futebol. Mas o principal campo da cidade não tem trave e está coberto pelo mato. Nos povoados do interior as pessoas dizem que nunca viram artigos de esporte.

"Eles prometeram que vinha, mas até hoje nós temos esperado e nunca chegou esta rede, nem trave boas pra gente jogar porque até eu jogo", afirmou a lavaradora Maria do Carmo Verde.

G1 MA